O uso da Astrologia

Retrogradação de Vénus – 2018
5 Outubro, 2018
Mercúrio em Leão
3 Novembro, 2018
Mostrar tudo

O uso da Astrologia

Desde o Século II antes de Cristo, que a prática astrológica é reconhecida. Os estudiosos da Antiga Babilónia, já teriam o conhecimento das órbitas dos planetas visíveis a olho nu, e os cálculos dos percursos registados em artefactos, cerca de aproximadamente 1000 anos antes do aparecimento do primeiro telescópio.

Actualmente está em voga a Astrologia Psicológica, Moderna ou Humanista, entre outras especialidades. Na minha humilde opinião, a Astrologia dos dias de hoje tornou-se uma ferramenta ‘humanista’ para o fomento do entretenimento. E por outro lado há quem tente evangelizar o conhecimento astrológico de tal maneira, que se tornou numa Utopia. Com isto, não estou a defender a tradição astrológica com unhas e dentes, mas é preciso que haja uma estrutura consistente e lógica que respeite um sistema funcional utilizado há milénios.

Pela minha prática com a Astrologia como estudante e iniciado senti necessidade de aprofundar conhecimentos e conhecer as origens, pois um ramo da Astrologia que seja orientado para traçar perfis psicológicos como a Astrologia Psicológica, não foi suficientemente esclarecedor tendo em conta todo o conhecimento milenar. Na verdade descobri que os conceitos tradicionalistas e as premissas filosóficas do período greco-medieval dão mais a conhecer do perfil psicológico do indivíduo do que a abordagem astro-psicológica actual. Além do mais não existia a dita ‘Psicologia’ nesses tempos, o Ser Humano era analisado sob uma perspetiva espiritual e universal comparando-o com os fenómenos do macrocosmos e microcosmos.

A leitura de livros clássicos dos autores tradicionalistas pode ser exigente e pesada mas seguramente dá entender como se desenvolveu a Astrologia, mas graças a esses autores que devemos um sistema astrológico funcional e coerente que eleva e dignifica as virtudes humanas. De facto, reduzir todo este sistema ao signo solar de uma revista ou jornal é incompreensível. Chegou o tempo de separar o trigo do joio, numa altura em que é possível ter acesso às traduções dessas obras é impensável continuar alimentar fenómenos de entretenimento.

Em todas as Artes, existem bons profissionais/artistas ou maus. Se uma pessoa apanha uma intoxicação alimentar, devemos descredibilizar todos os cozinheiros? Um médico que se enganou na prescrição e matou o seu doente, devemos culpar todos os médicos? Não se pode comparar a Arte aos feitos de alguém que não a sabe usar, evidentemente. Acontece o mesmo com a Astrologia… Só porque um determinado sujeito aldraba um punhado de pessoas não devemos julgar a Astrologia pelos actos de má prática de alguns. Acima de tudo é preciso praticá-la, perceber as falhas cometidas, examinar as metodologias e conceitos e principalmente questionar.

A Astrologia descreve através de uma linguagem simbólica e geométrica as características e o ‘guião’ do indivíduo e a forma como este se projecta ou se manifesta na realidade em que vive tendo em conta a sua evolução social. E, pode ser aplicada em diversas áreas e actividades tais como: organizações empresariais, no desenvolvimento vocacional e profissional, na selecção de candidatos em processo de recrutamento, em investimentos financeiros, na eleição do melhor momento para tomar uma acção mais positiva e impactante, no aconselhamento pessoal, entre outras.

Desta forma, a Astrologia e as suas premissas filosóficas integram-se noutras áreas como a Alquimia e a Magia. Percebe-se por Magia as operações manifestadas pelo indivíduo, a materialização dos seus pensamentos, as suas acções até o simples acto de respirar e de verbalizar. Existem Leis que operam nesta dimensão e que transcendem o pensamento racional do ser humano, explicadas de forma tão simplificada pela filosofia hermética. É sob estas Leis que a Magia acontece, onde todas as acções/manifestações têm a sua causa e efeito. Um bater de asas de borboleta pode provocar um tsunami na outra face do mundo. Dependerá sempre da forma como direccionámos a energia e com que intenção e intensidade é manifestada. Atraímos o que pensámos!

A Magia, a Astrologia e a Alquimia constituem a Trindade Oculta, e juntas expressam as operações do Supraconsciente, dito Divino. A Magia é a operação do Espírito que actua sob o Espírito, a Astrologia é a operação do Espírito que actua sob o Corpo e a Alquimia é a operação do Corpo que actua sob o Corpo. Estas Artes servem de meios para atingir a iluminação e a transformação pessoal desejada.

“Fecha os teus olhos e deixa que a tua mente se expanda. Não deixes que o medo da Morte ou da Escuridão interfira. Permite que a mente atinja a Mente. Deixa fluir acima de qualquer curva da Consciência. Deixa que suba nas asas de um grande pássaro, acima do perfeito Círculo da Eternidade. “

– Hermes Trismegistus

Partilhas